quarta-feira, 1 de julho de 2009

Onde, quando, quem, como ?

Quem é que pode prever as perguntas?
Quem é que pode dar as respostas?
Não é uma questão de versos, estrofes, frases, parágrafos, linhas...
É menos pretencioso. É só um simples desejar ser. Mas ser o que?
Somente ser, ser qualquer coisa. Ser, como verbo intransitivo.
Não tem interesses que corrompam a plenitude do momento desejoso que, por enquanto, não é nada.
Jogar fora aquilo que não te faz bem. Lançar ao vento coisas que nem mesmo ele merecia carregar, e que vão ter de parar em algum lugar, em algum instante. Largar as malas pesadas que se carrega há tempos, pois já não se sabe mais para que serve tanto peso - além de atrasar a caminhada.
Ninguém tem culpa. Não fazer alguém viver os impasses da vida em seu lugar pode ser a solução que impulsionará o progresso. Por isso, não pode ser entregue, faça você mesmo, use suas próprias mãos para destruir a bagagem inútil que carrega. Use sua própria boca para se livrar de falas que te engasgam. Use seus próprios pés para correr até seus sonhos, para correr até seus medos e enxotá-los aos gritos de sua própria voz.


Vejo pessoas que pedem que façam escolhas por elas. Será que é para poder culpar alguém se as coisas não derem certo ou é porque não confiam nas suas próprias decisões - ou talvez não tenham uma decisão a tomar? Qual das opções demonstra mais covardia?

2 comentários:

Lorena disse...

acho que esse é um dos melhores, sem mais.

fredinho_mandu disse...

"'"'"'"'" Vejo pessoas que pedem que façam escolhas por elas. Será que é para poder culpar alguém se as coisas não derem certo ou é porque não confiam nas suas próprias decisões ? "'"'"'"'"

Muito Marra mes =D e tmb é a pura vdd =/ o medo de errar é tão grande que confiaria a qualquer um se isso pudesse tirar o peso da minha costa, mesmo q não seja a melhor decisão, mas é a + fácil a se tomar =/

Muiiiiiiitooo marra suas postagens \o/