sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Em coma induzido

Apodreci em mim ao acreditar na perfeição. Sublime sentimento de satisfação e de estar completo.
Gastar risos faz acumular choro. Lágrimas guardadas pela farsa convincente que é estar feliz. E passa... Tudo passa, a alegria também. Esfria... congela e depois - talvez - derrete e ferve novamente.
És tão instável, cativante e inseguro; coração amante.
Confiar nos mais certos sentimentos é arriscar entregar a alma ao ignoto.
Marcas do futuro são construídas pelas circunstâncias do presente. Por isso mais do que tudo está completamente em nossas mãos.
Recuperas sensações que antes havia pensado não existirem mais... Aflição tão incômoda, nó na garganta tão sufocante. Tudo isso é o medo de perder-te.
Quero só que ame hoje e amanhã o quanto amou há pouco e eu havia mesmo notado. Será que não me queres mais? Talvez tenha se satisfeito de mim e não vê mais razões para procurar em mim o que decepcionantemente não encontrou. Tiveras certeza de que em mim encontraia plenitude e que não buscaria nada mais... Talvez tenha gosto pela busca.

Minha monotonia te incomoda, é verdade.

4 comentários:

Fran disse...

"Gastar risos faz acumular choro. Lágrimas guardadas pela farsa convincente que é estar feliz."

Muito bom!
;*

Victor Guida disse...

Mais uma vez noto a alternancia do que te domina, ora é a razão ora são os sentimentos. Desta vez foste dominada avassaladoramente por seus sentimentos. Gosto desta transição frequente nos seus textos. Os mantêm bem longe de serem monótonos.
Ah, bem legal o texto, por sinal

Bárbara disse...

a gente não é 100¢ nada. Incrível, neh?

Anônimo disse...

quando foi que vc aprendeu a escrever assim??????? genial.