sábado, 15 de maio de 2010

Cântico III, de Cecília Meireles

Não digas onde acaba o dia.
Onde começa a noite.
Não fales palavras vãs.
As palavras do mundo.
Não digas onde começa a terra.
Onde termina o Céu.
Não digas até onde és tu.
Não digas desde onde é Deus.
Não fales palavras vãs.
Desfaze-te da vaidade triste de falar.
Pensa, completamente silencioso.
Até a glória de ficar silencioso.
Sem pensar.

2 comentários:

Felipe Braga disse...

Show!
Sabe, Bárbara? Estou aprendendo a falar somente quando o silêncio não tem mais nada a dizer.

Genial o poema da Cecília.

Beijos, Barbie.

Liv. disse...

realmente especial.