sábado, 28 de novembro de 2009

Me abraça forte, agora...

E eu abaixei minha cabeça... E chorei lágrimas quentes que rolavam no meu rosto como se fugissem da prisão instalada nos meus olhos fingidos de calma e segurança.

Aviso que não posso mais dar conta destas lágrimas que se libertaram e deixaram um vazio ainda mais incômodo no meu coração. É triste, e meu coração quer descansar dessa tortura pela qual está passando. Não pode mais viver assim. Precisa de suporte, de alegria. Não há paz.

Sereno? Não. Desanimado? Não.
Triste talvez... Desamparado e entregue à brisa fria que varre as folhas secas na calçada.

Não estou mergulhando numa piscina de lágrimas choradas pelas barreiras da vida. Eu não quero que ninguém viva essas coisas por mim.

Esse é só o começo da estrada longa. Eu só queria um amor... Eu vou abrir a janela agora e ver o sol para acreditar que o amor é forte, lutador e resistente às tempetades de neve e de fogo.

5 comentários:

Fran disse...

Lindo texto, Bárbara.
Me emocionei.
Beijos

Polli disse...

com você eu me preocupo despreocupada.

Eduardo Lara Resende disse...

Torcedora do Fluminense... Minha solidariedade! :)

Vim, li e gostei. Vou voltar - agora que, parece, escapamos do rebaixamernto.

Abraço.

Felipe Braga disse...

Que coisa mais linda, Bárbara. Lembrou-me uma das músicas mais geniais do Los Hermanos.
Beijos.

Caroline disse...

muuito lindo e emocionante!
é incrível como vc consegue traduzir os sentimentos!