sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Eu a vi na chuva


Eu a vejo passar
do outro lado da rua
com medo da chuva.

Eu daqui fico olhando
questionando meu tempo
que nunca é o dela.

A beleza que vem no olhar
na verdade é outro amanhã
aquele que não virá depois de hoje.

Meu pedaço, seu inteiro
dei-te quando encontrei
perdido no seu caminho.

Ah! onde te vi, não me notaste
confortei-me em quietar
na tão furiosa chuva.

Trouxe de volta a brisa fria
com gotas geladas na minha pele
pele quente quanto meu coração.

5 comentários:

Polli disse...

não gosto de poesia, sou chata bjs.

Polli disse...

mas continuo amando seu blog ;) alegre-se.

Victor Guida disse...

Aahhhhh....me deliciei lendo essa poesia.
Abordou o meu tema favorito!
Beijos Bárbara.

Felipe Braga disse...

É. Acabo de crer em tua versatilidade. Pois tanto em prosa quanto em verso você manda bem demais, Bárbara. Acho até que já te disse isso num outro post.
Mas é que chuva, poesia... Ai, tudo isso é tão sugestivo.
Amei, mesmo.
Beijos.

Caroline disse...

linda a poesia! como eu sempre te digo, VC VAI LOONGE AMIGA!
beijos, Bárbara!