quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Suicídio

Ele é tão verdadeiro que até quando simula está a se acreditar.
Quando percebo que nego quase tudo que prego, nos meus atos insanos tento encontrar algum sinal do que acho coerente e tenho vontade de praticar.
Minha razão anda tão perdida de mim que quando a encontro, percebo que não deveria buscá-la.
Ele não precisava me dizer o que é o amor, pois para mim, já está quase explicado. E mesmo que ele pense que sabe e que pode controlar, engana-se, talvez nenhum de nós façamos ideia do que se trata.
Variações de clima, varia de acordo com o tempo que passa o seu humor.
Achamos geniais as coisas somente quando as entendemos. Antes eram apenas coisas soltas, sem sentido, ou - aparentemente - superficiais.
Não o questiono mais em nada. Não compartilharei mais com ele - nem com ninguém - minhas mais profundas súplicas ao ego inconsciente afundado em monotonia.
Desprezo meu auto-enchergar de perto. Não é possível se ver do jeito que se imagina, jamais. Imaginei tantas palavras para descrever minhas sensações, mas agora nenhum adjetivo me serve.
Pareço estar seca de vocábulos e não sei onde devo buscá-los, nem se devo mesmo buscá-los. Perdi meu tempo?
Mas, se não estivesse a gastar minhas pobres ideias, o que mais eu haveria de fazer?
Ah... ele me faz bem, pois me joga na cara algumas coisas que eu finjo esconder de todos e de mim mesma. Não sou esperta assim, talvez seja, mas não há como demonstrar.
O silêncio prova que a paciência é uma virtude. O que é o contrário do silêncio? Desvirtudes, talvez...
"Não me prove mais nada, sou eu que exijo demais." Gostaria de ser melhor para ele, mal sou boa para minha própria pessoa! Se é que algum dia fui posse de mim mesma.
Ninguém pode amar mais alguém do que a si mesmo, o inverso disso é suicídio.
E por você, vou me matando...

5 comentários:

Felipe Braga disse...

Bárbara!
Um desabafo? Um espelho que reflete por dentro? Algo é verossímil, quando se trata de alma, de interior?
Saiba que, talvez, o espelho que me referi acima é teu texto, que, por vezes, refletiu-me. Pois o vi cercado de dúvidas, questionamentos, que... sim, a escrita aproxima muito as pessoas.
E eu saio daqui contente. Por poder constatar que você cresce a cada texto.
Te admiro.
Beijos.

Juliana Dias disse...

Muito lindo!!!!!! Quanta inspiração!!!

Um dos melhores textos seus aqui no blog mocinha!

Vc tem futuro!

Dessa disse...

Nossa, você escreve super bem.
E sim amar alguém mas do que a si próprio é suicídio, como você disse.

Estou seguindo o blog a pouco tempo, mas já curto muito.
um grande beijo e continue nesse caminho. Como já disseram, você tem futuro.

Bárbara Reis disse...

Sei lá,eu enxergo o amor próprio antes de muitas coisas,inclusive o amor,ainda que verdadeiro por outra pessoa.

Lorena disse...

caraca, lindo demais...
tá muito apaixonada mesmo, né! *-*
HUSAHSUHSAUHSUA
continua maravilhosa, cara!