sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Lá vai mais um calendário

Não, eu não vou desejar feliz ano novo. Porque de novo, por enquanto, só vejo o calendário.
Continuo presenciando cenas imbecis de felicidades imbecis pelo que não aconteceu e talvez nem aconteça.
Não, eu não estou aqui para fazer previsões. Não vou deixar que a euforia alheia venha tomar conta de mim nessa simples mudança numeral sobre a qual o mundo se explode em festa uma hora antes do que "deveria". (Alguém lembrou do horário de verão?)
Parece pessimista e ranzinza... É que esta é a razão de ser assim, tão... real.
Posso estar "jovem demais" para não criar tanta expectativa assim, ou para não curtir, celebrar, comemorar...
Confesso que por instantes sinto-me mal por estar sendo tão fria comigo mesma, e chego a pensar que deveria estar com pensamentos e vibrações positivas - afinal, se deve pensar assim durante todos os dias do ano. E é exatamente isso que me intriga: as pessoas ao longo do tempo criaram uma mentalidade tão patética, e baseadas nela, tendem a agir guiados por um forjado espírito fraternal de fim de ano.
É incrível a facilidade de amar apresentada pelos mais variados tipos de gente.
Os meus desejos de ano novo são desejos que eu já tinha antes, e essa "data especial" me ajuda a reforçá-los. Também uso esse momento para direcionar algumas palavras sinceras às pessoas que verdadeiramente gosto, pois é agora que elas estão esperando mais uma forcinha para se sentirem fortes para "começar outra etapa". Fazem isso sem ao menos notar que as fases da nova vida não são direcionadas pelo tempo criado pelo homem. As mudanças que nós fazemos, necessárias ou não, são atemporais e independem de 2009 ou 2010.
Deve haver sim algo de especial na virada do ano: a confraternização, a partilha do tempo e do espaço com as pessoas queridas, até a própria graça que há na hipocrisia do "boas festas" e outros blá blá blás.
Enfim, esse foi mais um show do bizarro ser humano.

7 comentários:

Felipe Braga disse...

Enfim, acho que fazer votos de felicidade apenas nestes dias é hipocrisia.
Já reparou em quantas pessoas que não falam com você durante o ano inteiro e aparecem para te cumprimentar só nesta época?
Compartilho os mesmos pensamentos com você.

Beijos, Bárbara.

FatoSempalavras. disse...

Ahhhhhhhh, belo, Bárbara....belo.

Ah, se eu te disser que somente comecei a mentalizar algo bem positivo mesmo qnd era 1 da manha
(que seria, na verdade, meia-noite) vc acredita?

rs


Novo ano, mas as duvidas e os medos continuam. Devemos fortalecer a idéia de ser feliz todos os dias, e não, somente, quando vai se virar a pág. do calendário
Abraços.

Bárbara Reis disse...

É curiosa essa questão das pessoas resolverem prestar atenção aos seus atos só no fim do ano. De qualquer forma,a possibilidade de um começo,mesmo que não seja novo,é encantadora.Recomeçar e importante,e a maioria de nós não recomeçaria se não fosse essa marcação temporal.
A psique coletiva é incrível.

Juliana Dias disse...

Tens toda razão. Tem muita gente que ficar caridoso, feliz, esperançoso somente pq chegou natal ou ano novo. Porém esquecem-se de serem caridosos e amorosos ao longo do ano e de suas vidas!

Beijos pra vc!

Mariana disse...

Bárbara, teu texto deveria ser lidos durante o ano por muitos seres que se dizem humano.
Tenhas um lindo fim d semana.

Dessa disse...

Eii moça.
Adorei o seu blog.
Estou seguindo.
Concordo quando você dz que as mudanças da vida são atemporais.
beijocaas.
O blog tá lindo!
e o ocnteudo tá show!

Lorena disse...

tá muito revolts! rs
ah, eu penso de outro jeito, acho que a "virada de ano" é um dos poucos momentos que o brasileiro ( principalmente) consegue renovar suas esperanças em meio à tantas coisas erradas, é como se fosse um novo prazo pra mudar as coisas, um reinício. Pra mim é isso que vale, isso que mais me inspira em fazer parte desse país, esse "nunca desanimar" esse "eu sou brasileiro e não desisto nunca". sei que você concorda comigo nesse ponto, vamos muudar essa revolta! rs
que saaaaaudade dos seus textos! vooltei, ein? HSUAHSUH