terça-feira, 30 de março de 2010

Caminho forçado

Pegue um livro qualquer na estante.
Desfolhe-o como quem nada quer, constante.
Desafie sua concentração, seja incoerente.
Plante uma ideia, uma canção, uma semente.
Desafine e fuja do esperado, previsível.
Crie um círculo quadrado, o impossível.
Sorteie as palavras, um discurso aleatório,
Mas não saia do percurso obrigatório.

7 comentários:

FatoSempalavras. disse...

se plantarmos uma semente de algo previsível, mas buscando o impossível, certamente, viveremos por alguns instante em um canto aleatório e sem sair do percurso obrigatório. Vida!

Sublime!

Caroline disse...

saia da rotina! muito bom ;)

Felipe Braga disse...

A escrita permite isso.
Circular por mundos até então desconhecidos, idealizá-los, sem um itinerário constante; isso é aleatório, é lindo! É um passear sem fim...
Adoro quando você passeia, Bárbara.

É muito bom que esteja fazendo isso com mais frequência - agraciando teus leitores. rs

"Oh, Bárbara, não maltrate meu amigo." É para você não maltratar teus leitores assíduos. rsrs

Beijos.

Bárbara Reis disse...

Magnifíco,xará!

KID PSICÓTICO disse...

Vc está de volta em?!
Que bom!!!!

Parabéns pelo texto... muito bom!

giselly disse...

Só você Bárbara. MUITO BOM mesmo esse texto. Vou escrever isso em algum lugar para ler sempre.

MarianaMatos disse...

Nossa,como é bom ler seus textos!
Você é ótima, parabéns meesmo.