domingo, 29 de agosto de 2010

Esperando-te

Não quero ser fruto da mágoa cultivada,
pelo amor descontrolado abafada,
como se admirasse alguma dor.

Quero ser leve e respondida,
pelas tuas mãos ser protegida,
e deixar o orgulho,
junto àquela angústia, morrer.

Esperar-te sinalizar com um abraço,
que apesar do teu cansaço,
queres ter me junto a ti.

E quando a noite aparecer,
tu virás a mim dizer
que estará comigo até o fim.

8 comentários:

Franck disse...

Que a espera seja breve...e com final fekiz...
Bj*

Polli disse...

caiu como uma luva.

Bárbara Reis disse...

"E quando a noite aparecer,
tu virás a mim dizer
que estará comigo até o fim."

Lindo,lindo,lindo!

Juliana Dias disse...

Poema lindo Bárbara! Cada vez melhor!!!

Grande beijo!

Felipe Braga disse...

Muito lindo!

Ritmo bem trabalhado, bem articulado e com um grande poder de penetrar na alma.

Bárbara, acho que você está pronta. Agora é só cultivar a poesia que já está dentro de ti.

Já vou embora sentindo saudade.

"Quero ser leve e respondida,
pelas tuas mãos ser protegida,
e deixar o orgulho,
junto àquela angústia, morrer."

Isso é para recortar e levar na carteira para sempre. rs

Beijos.

Menino-Homem disse...

moça,
sua poesia é ouro
e eu acho graça
de feliz!

beijos,
do menino-homem

fique com Deus!

FatoSempalavras. disse...

Vc tem de tudo... tem o amor. tem o alívio de morar longe da dor, o quemais desejar?

Desejar,somente, que todos os segundo pra ti durem eternamente!

adorei demais: ''pelas tuas mãos ser protegida''

Gustavo disse...

Uau, Bárbara. Muito bonito esse teu "Esperando-te".