quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

B. Sorte

Antes de ver, quis não acreditar.
É medo, eu sei. Eu soube.
.   .      .        .          .              .                     .

Não vou dizer o que sei, nem o que eu quero saber.
Não me deixaria sentir, não me deixaria viver.
Ao menos que você não se importe,
eu posso tentar te falar...
Mas não quero que tenhas má sorte,
melhor eu confiar.

Quem só me faz bem... tão bem...
Boa sorte, boba sorte.

4 comentários:

Luan disse...

Mas que sorte boa encontrar novos posts seus =)

Felipe Braga disse...

Eu sempre achei que podemos vencer o azar, ou superar o limite que a sorte impõe. Mas as únicas certezas são que você supera o que eu penso ser o seu limite e que isso é uma grande sorte - minha.

Angélica Lins disse...

Gostei da intensidade com a qual vc escreve. Estarei por aqui e também pelo teu twitter.

Abraço! :)

Sarah Fonseca disse...

é.. nos resta ter sorte.