quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Apague a luz, por favor

A cada pergunta, uma resposta menos satisfatória.

Há momentos em que a luz no fim do túnel é o apagar das luzes, a despedida, o fechar das cortinas...
Como já dizem por aí, todo fim é um (re)começo. E o que é a vida se não uma sequência de fatos consecutivos, aleatórios, cíclicos, fluxos...?
É preciso morrer, claro. Mas é possível morrer sem dor e matar sem tortura. Sacrifícios precisam ser evitados em muitas circunstâncias.
Não gosto de provocar sofrimentos, longe de mim. Esses caprichos femininos me embrulham o estômago; parece que nós, mulheres, estamos sempre tentando nos afirmar, elevar a auto-estima em função da má sorte dos seus admiradores. Palhaçada.
Estou criando uma listinha com palavras que devem ser evitadas. Umas palavrinhas que podem complicar muito a vida. Não está na hora de gasta-las...

A cada pergunta, uma resposta mais contraditória. Melhor não perguntar...

Um comentário:

barbaraornellas disse...

Depois de muito tempo, reencontrei o seu blog e resolvi dar uma olhada... Continua bem legal. E este é um belo texto.
Um beijo.