sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Inspiração (?)

Estive há pouco me cobrando. Exigindo de mim mesma mais empenho nesta prática que tanto me agrada: escrever.
Nisso me perguntei se o que me faltava era assunto, vontade ou inspiração.
Sobre os dois primeiros questinamentos cheguei às seguintes conclusões:
1º- Assunto não me falta mesmo! Tendo nesses últimos tempos me submetido a tantas reviravoltas racionais e emocionais, como poderia faltar assunto? Tanta coisa acontecendo neste mundo: a gripe, as aulas adiadas, o nosso senado explodindo... Por mais que eu tenha algo a declarar sobre diversos temas, nada me parece interessante. Não passam de notícias que reaparecerão na reportagem de retrospectiva 2009 do dia 31 de dezembro. Enfim, não é justo que eu deixe de escrever por falta de assunto!
2º- Vontade! É essencial ter vontade para criar qualquer coisa minimamente bem feita. Estava me sentindo um tanto quanto desmotivada e até mesmo desanimada, e no fundo, triste por me achar incapaz de produzir qualquer coisa. Tive um estalo! Se estou reclamando por estar há um tempinho sem escrever, já é sinal de que a vontade existe! E, então, constatei que eu tenho mais do que vontade, tenho necessidade... E que, certamente, por isso, estou aqui a digitar essas coisas pouco construtivas, mas que com toda certeza me aliviam e me livram da agonia de ficar parada.

Inspiração é a palavra chave deste post (não por acaso está no título). Duvidei de que algum dia tenha tido inspiração... Imaginei que todas as minhas postagens tinham um motivo pouco inspirado e sim programado. Mas, afinal, o que é inspiração? Não sei como definí-la, mas sempre relacionei com ideia repentina que alguém tem em um determinado momento "abençoado". Raramente me sinto assim! Geralmente tenho algo vago e desorganizado em mente e faço um grande esforço para colocar as ideias em ordem, no que eu gasto algum tempo... Mas o que me consome mesmo é a leitura que faço das minhas próprias escrituras, nunca estou satisfeita e em algum momento de irritação desisto e posto como está! Às vezes tenho medo de modificar algo que na sua origem foi essencial, daí prefiro deixar como está, mas isso não significa que eu tenha achado bom...

Não pretendo ficar me avaliando aqui, isso poderia tirar algum brilho que possivelmente existe nos textos anteriores. O que importa de verdade é que, apesar dos pesares, está pronta mais uma postagem, esta é mais comum que as outras. - Talvez tenha sido a menos comum de todas pela estranhesa das outras - . (Nesses tempos tem sido presunção achar que é diferente dos outros, porque está na moda ser "estranho"... Eu, sinceramente, não escolho ser mais um igual tentando ser diferente).

4 comentários:

Leonardo Brito disse...

A beleza de sua confusão psíquica é que dá toda a formosura de seu texto, além de ratificar a sua singularidade. Pode ter sido banal, mas ao mesmo tempo magnífico.Belo texto!

Lorena disse...

Ótimo texto, como todos os outros!
Juro que esperava aqui críticas que só você consegue fazer sobre o senado e me surpreendi com o post! Muito bom e aguardo sua opinião sobre isso tudo que tá acontecendo na política do nosso país ( não preciso dizer que prefiro seus textos desse tipo, mas que tbm adoro todos os outros! ) Está mesmo de parabéns!

Felipe Freitas disse...

Alguns bons textos me deixam sem saber o que dizer. Com esse foi assim.

EU vs EU MESMO disse...

FICO TENSO, LOGO, EXISTO.